.................................................................................................................................................................................................................
Por um Amanhã sem Câncer

Atravessar o Brasil correndo foi a forma encontrada por Alexandre Sartorato
para ajudar a divulgar o movimento Amanhã sem Câncer

Atravessar o país correndo e sem receber nada por isso.
Uns chamariam de loucura. Outros, de aventura.

Para Alexandre Sartorato, a loucura e aventura exercidas durante 61 dias tem motivo: divulgar o movimento Amanhã sem Câncer. O atleta de 31 anos conhece bem de perto a realidade dessa terrível doença. Foram cinco parentes e o técnico vítimas do câncer.

"Resolvi fazer isso sem patrocínio, pelas pessoas que eu perdi pela doença, ajudando outras pessoas”. Ao longo dos 5.330 quilômetros que separam a cidade do Oiapoque ao Chuí (a maior distância entre duas cidades no país), Sartorato distribuiu panfletos explicativos sobre a doença. Além disso, vestiu a camisa com o símbolo da campanha, que é promovida pelo INCA (Instituto Nacional do Câncer).

 

Sartorato, que participava de provas 24h e figurou entre os dez melhores do mundo pela IAU (International Association of Ultra-Runners) no ano de 2001, reuniu forças e economias para realizar esse objetivo.
O desafio teve início no dia 15 de março, quando saiu do Oiapoque rumo à cidade de Chuí.

 

Alexandre teve a companhia de um ciclista nos primeiros dias, que o ajudava levando seu equipamento básico. Só quando chegou à cidade de Belém ganhou o apoio de um carro. O percurso foi completado no dia 16 de maio. “Eu queria que o pessoal do Brasil me conhecesse como atleta e como homem.”

 

 

Mas não foi só disposição e boa vontade que o atleta consumiu nesta longa aventura. Com um gasto próximo a R$ 30 mil, Sartorato utilizou 13 pares de tênis, consumiu 300 kg de alimentação (principalmente massas) e mais de 1.200 litros de bebidas, entre água, refrigerantes e isotônicos.

 

Correndo uma média de 87,400 quilômetros por dia, Sartorato teve que enfrentar as péssimas condições das estradas brasileiras (não foi possível correr à noite), as várias mudanças do tempo, além de conviver com diversas bolhas nos pés e assaduras na virilha.

Para complementar o seu objetivo, Sartorato quer aproveitar o espaço que conseguiu e fazer algo maior para a campanha. Ele pretende percorrer o caminho novamente, desta vez de carro, e parar nas cidades por onde passou correndo para promover palestras sobre o câncer.


Agora, se engana quem pensa que o atleta vai parar por aí. Atravessar o mundo correndo é seu próximo desafio. A nova aventura ainda não tem data marcada, mas Sartorato já começa a planejar o caminho que irá percorrer.
Para tal objetivo, o atleta aguarda patrocinadores.

Haja fôlego!


Por Fernando Evans