.................................................................................................................................................................................................................
Santos


Cidade paulista investe no esporte e se transforma
num dos centros de corridas de rua e triathlon do Brasil

 

Sol, praia e a brisa do mar são um convite à vida. Toda cidade litorânea tem os ingredientes para que seu povo tenha um estilo de vida saudável por meio da atividade física. No Brasil, existe um local onde corrida e triathlon ganham mais espaço: Santos, no litoral sul de São Paulo, tem a fórmula do sucesso tanto na realização de competições como no desenvolvimento de talentos. Conhecida mundialmente como o templo do inigualável Pelé, vem ganhando cada vez mais espaço na preferência dos corredores e se consolidando como centro nacional do triathlon.

 

 

Santos é uma cidade com vocação esportista. Investe, valoriza e busca a democratização da atividade física. Nas primeiras horas do dia, a população santista invade o calçadão em frente ao mar. De crianças a idoso, todos estão envolvidos com esporte. No entardecer, também é possível encontrar corredores de elite e amadores em passadas firmes pela areia. A prefeitura local estima que cerca de 10 mil pessoas façam algum tipo de exercício na praia diariamente. Atletas de alto nível apontam o número elevado de provas como um dos grandes atrativos.

 

Três das principais competições de triathlon no Brasil acontecem em Santos. O Internacional de Santos, o Fast Triathlon e duas etapas do Troféu Brasil. Os corredores têm como grandes desafios a prova 10km Tribuna FM, realizada sempre em maio, e que neste ano contou com a participação de 7 mil pessoas; e o Campeonato Santista de Pedestrianismo, disputado em sete etapas e que reúne 1.500 atletas, distribuídos em 14 categorias.

 

O campeonato de pedestrianismo é promovido pela Secretaria Municipal de Esportes de Santos (SEMES) e a inscrição é gratuita. Outras provas de corrida que movimentam a cidade são o Dia do Desafio (norturna), também organizada pela SEMES, e a Corrida de Casais, promovida pelo SESC. A estimativa é de que 10 a 12 competições de corrida acontecem anualmente na capital nacional do triathlon, sem contar as provas organizadas por empresas particulares da cidade.

 

 

João Carlos de Arruda Neto, coordenador da equipe 100 e organizador da prova da Tribuna FM há 7 anos, confirma a intensa atividade da cidade. “Santos tem uma prova todo fim de semana, seja de corrida, triathlon, ciclismo. Na baixada santista são mais de 20 provas de corrida por ano. A população é envolvida com esporte. Quando vai se aproximando a Tribuna, além dos corredores que mantém os treinos rotineiros, temos aqueles que começam a preparação para a disputa. O pessoal sai das academias para treinar na praia."

O clima agradável, a extensão de praia com variação de piso (areia dura e areia fofa), geografia diversificada, o número elevado de competições e ruas planas e asfaltadas são os fatores que atraem cada vez mais atletas para Santos. O triatleta argentino Oscar Galindez é um exemplo. Morando na cidade há sete anos, garante ter encontrado condições favoráveis e tranqüilidade para o treinamento. “Santos tem boa estrutura para correr na praia, há muitas piscinas, pois o número de academias e clubes é elevado, as estradas próximas da cidade são opção para o treino de bike e as melhores provas de triathlon são realizadas aqui. Única desvantagem, mas não é um problema exclusivo da cidade, é o trânsito. Santos está no limite entre uma cidade pequena e um grande centro, é estruturada mas não é caótica.”

 

 

O ultramaratonista Valmir Nunes garante que a maior cidade do litoral paulista é o ideal para uma boa preparação. “Nunca vi um lugar tão bom para treinar como Santos. Já treinei em diversos lugares do mundo, mas igual a ela não há. Diversidade de terrenos, temperatura boa. Gosto de treinar principalmente na praia que tem uma extensão de 15 km de areia batida”, declara o bicampeão mundial de 100km. A orla, da ponta ao emissário submarino, as avenidas Portuária e da praia são os locais que mais concentram corredores e triatletas.

 

 

O secretário de esportes, Marcus de Rosis, afirma que R$ 8,300 milhões são investidos anualmente em diversas modalidades. E avalia que ainda é pouco. “É uma quantia baixa comparada com a atividade esportiva e o número de competições que acontece na cidade. Mesmo assim, temos uma realidade de sucesso no setor. Isso se deve ao fato de Santos ter uma tradição muito forte no esporte, desde Pelé, e os clubes sendo celeiros de grandes atletas. Enfim, existe base e boa estrutura, além da comunidade ser envolvida. Há muitas opções de atividade esportiva pública e sediamos muitos eventos, isso favorece o descobrimento de talentos.”

Atualmente, segundo o secretário, a prefeitura está investindo em melhorias que, direta e indiretamente, estão ligadas ao esporte. Na revitalização da orla, foram gastos R$ 6 milhões.

 

O triatleta Paulo Miyasiro ão poupa elogios à terra natal. “Apesar da dificuldade de conseguir patrocínio para o esporte no país, em Santos o apoio é grande. Eu por exemplo conto com três patrocinadores da cidade: a prefeitura, Unimonte e Memorial. Isso dá tranqüilidade para treinar e buscar resultados. Além do que a cidade tem um diferencial. A amizade é grande, todos se ajudam, e mesmo aqueles atletas que não competem mais estão sempre aparecendo nos treinos para colaborar.”

 

Santos tem qualidades, mas não é perfeita. Ainda faltam melhorias, como explica o triatleta santista Felipe Guedes, que pratica a modalidade há 8 anos. “Em relação ao ciclismo, falta um pouquinho de atenção das autoridades em relação a avenida Portuária. É centro de treinamento da galera nos finais de semana e também onde acontece as principais provas de ciclismo e triathlon, mas, por passar muitos caminhões pela região, o asfalto está bem judiado. E na corrida falta apenas um detalhe, uma pista de atletismo oficial. As pistas que existem na cidade não são tão apropriadas a prática”, alerta.

 

Assim, Santos segue seu ritmo. Atividade física todo dia. Seja na areia da praia ou no calçadão; no mar ou na piscina, o importante é movimentar o corpo.

 

 

Por Renata Rondini
Matéria publicada originalmente na Revista SuperAção (Ed. 09)