.................................................................................................................................................................................................................
Overdose de Vitaminas

 

Elas são essencias ao bom funcionamento do organismo, entretanto, a ingestão
de vitaminas e minerais deve ocorrer dentre dos limites recomendados

 

 

Algumas pessoas, na ânsia de obter os benefícios apregoados por diversos estudos focalizados neste tema, por vezes ingerem quantidades exageradas destes nutrientes sem orientação especializada.

As vitaminas e minerais, quando consumidas acima dos limites indicados, podem ocasionar efeitos colaterais. Abaixo estão alguns exemplos:

 

 

Vitamina D
É considerada uma das mais tóxicas vitaminas quando consumida em mega-doses, pois pode causar o aumento da concentração sangüínea de cálcio e, como conseqüência, podemos ter lesões renais e enrijecimento dos tecidos moles, especialmente nas articulações, pulmões e artérias.

 

Vitamina A
Quando ingerida por indivíduos adultos em mais de 33.000UI por dia em períodos prolongados, o excesso de vitamina A pode ocasionar lesões em diferentes tecidos corporais. Dentre estes: fígado, ossos e pele. Ocasionam ainda, em dose elevada, a alopecia, que é a perda dos cabelos
o.

 

Vitamina B6
Overdoses desta vitamina em curtos períodos de tempo podem ocasionar danos ao sistema nervoso, ocasionando efeitos colaterais diversos. Doses de 50mg por dia, que representam 25 vezes mais que o recomendado pelo RDA, que são 2mg por dia, podem ocasionar problemas.

 

Ferro
O consumo excessivo deste mineral pode ser, em certos níveis, fatal, sendo estimado que em cada ano, nos Estados Unidos, uma criança é vitimada por consumir acidentalmente suplementos que contenham de ferro. É importante entender o efeito sinergístico do ferro e da vitamina C, pois o aumento de consumo de vitamina C ocasiona o aumento da taxa de absorção do ferro. Assim sendo, é preciso observar com cautela a ingestão de qualquer vitamina em doses acima das recomendadas.


Por Prof. Benito Olmos
Matéria publicada na Revista SuperTreino (Ed. 10)